CHAMADO ÀS ARMAS

Leitura: 2 CO. 10:3-5; EF. 6:11-18; 2 TM. 2:3-5

Saiba qual é o passo a passo para o Brasil entrar em uma guerra ...Ao olhar a situação de muitos (senão a maioria) cristãos, a impressão que tenho é que, em suas mentes, acreditam que quando foram alcançados pelo SENHOR JESUS, receberam uma entrada para um “resort” ou “uma colônia de férias”; que acreditam que por receber em suas vidas O Príncipe da Paz, terão uma vida livre de problemas e de sofrimento, que não terão quaisquer conflitos ou que, simplesmente, não terão que participar de luta alguma, senão contra seus próprios desejos carnais… Não foi o que JESUS prometeu (JO. 14:27).

JESUS afirmou categoricamente “no mundo tereis aflições”. Que tipo de aflições? Na carta do apóstolo Paulo à Timóteo, encontramos registrado que “fomos alistados para uma guerra”, porém essa guerra, essa luta, não é contra pessoas de carne e sangue, mas sim contra principados, potestades, príncipes das trevas deste século (deste mundo), hostes espirituais da maldade. E ainda mais, essa luta não se dá em nossa esfera terrena, em nosso mundo físico, e sim “nas regiões celestiais” (EF. 6:12).

Mas, como que, pessoas habitando na Terra, podem batalhar nas regiões celestes? Será que é uma batalha tipo Star Wars? Com discos voadores, sabres de luz, e tudo o mais? Não! É algo muito, muito diferente, e porém mais poderoso. Leia, com bastante atenção, o capítulo 10 do livro de Daniel, no Antigo Testamento…

Daniel, um homem hebreu (judeu), e também um profeta do Verdadeiro DEUS, se colocou diante de DEUS para buscar o entendimento de uma visão, e entra num período de jejum e oração por três semanas completas (21 dias – DN. 10:2,3). Assim que ele começou a buscar a DEUS, um anjo lhe foi enviado com a resposta (v. 12), porém o “príncipe do Reino da Pérsia” (um príncipe angelical, um principado) se opõe a esse anjo, e isso durou vinte e um dias (as três semanas). O anjo só pôde passar quando “um dos primeiros príncipes, Miguel”, vem em seu auxílio. Ou seja, o arcanjo (principado angelical que governa uma nação) do reino da Pérsia se opusera à resposta de oração do hebreu, e o anjo portador da resposta só conseguiu passar quando o arcanjo Miguel (o arcanjo de Israel – conforme DN. 12:1; JD. 9).

Ainda em Efésios 2:2,3 encontramos que este mundo segue “o príncipe” das “potestades” do ar, que não é outro senão o próprio satanás, a quem JESUS chamou de “o príncipe deste mundo” (o governador deste mundo) – JO. 12:31; LC. 4:5,6 1 JO. 5:19…).

Você percebe, portanto, a importância de cada cristão saber qual sua posição como soldado de JESUS CRISTO (2 TM. 2:3)? Mais ainda, a importância de conhecer quais são as “armas poderosas em DEUS para a destruição de fortalezas, e capaz de levar cativo todo o entendimento à obediência de CRISTO” (2 CO. 10:4,5)?

G1 > Pop & Arte - NOTÍCIAS - Tom Hanks e Spielberg retornam aos ...Você não está em uma colônia de férias! Não está em um “resort”!
Você está “alistado para uma guerra”!
Porventura já sabe que arma espiritual DEUS confiou a você?
Como está seu “treinamento” com a arma que DEUS lhe confiou?
Se o dia mau se levantar diante de você, você resistirá (EF. 6:13)?

Reflita bem nisso, meu irmão, minha irmã…
Prepare-se! A batalha já se aproxima! E hoje O SENHOR passa em revista o exército de guerra (IS. 13:4).

Saiba, amado(a), que o inimigo tem uma preocupação quanto aos filhos de DEUS ─ mantê-los como meninos espirituais (1 CO. 3:1-4), pois “meninos não são capazes de ser soldados, de lutar contra o inimigo e vencê-lo” (1 JO. 2:14).

É necessário alimentar-se do “leite racional não falsificado”, para ir crescendo no conhecimento de DEUS (1 PE. 2:2). Alimente-se com a pura palavra de DEUS! Deixe de lado as interpretações teológicas, humanas, e busque no ESPÍRITO SANTO, na oração, e na comunhão íntima com DEUS conhecer o seu lugar no exército do SENHOR, para que, na batalha, seja vencedor(a).GUERRA ESPIRITUAL | A ARMADURA DE DEUS


Anúncios

Benzimentos, Simpatias e o Evangelho

Leitura: IS. 8:19,20; 1 CO. 12:9; 2 CO. 11:13-15; AT. 16:16-18

Nos textos supra mencionados, vemos a proibição de DEUS quanto a buscar “espíritos familiares” ou “necromantes” (médiuns), adivinhos, prognosticadores, agoureiros, feiticeiros, encantadores, mágicos, magos… etc.

Essas consultas são vetadas ao filho de DEUS, porque colocam quem as faz (consultas) em contato com espíritos enganadores (demônios).

Cabe ao filho de DEUS consultar unicamente a DEUS e à Sua Palavra para obter direções para sua vida (IS. 8:19,20).

Os encantadores (benzedores) e os médiuns usam a mentira para produzir um bem-estar temporário naqueles que os buscam, mas o fim é puro engano.

Desde o princípio da humanidade o desejo de DEUS é de ter um relacionamento de Pai, Provedor, Protetor e Condutor com o homem. Foi assim que começou, lá no Éden.
Aí entrou a incredulidade por meio da mentira que o diabo semeou nos ouvidos de Eva, e o homem, então, por causa a incredulidade, deixou de ter em DEUS sua fonte de alegria, de segurança, de provisão… Teve que abandonar o lugar que DEUS fizera para ele e sua esposa, e teve que começar do zero, agora numa terra amaldiçoada (GN.3:17).

Engana-se quem achar que o diabo limitou-se àquela ação no Jardim do Éden, quando o homem entregou ao maligno o governo deste mundo.

Ao longo da história da humanidade, de uma lado, DEUS tem se manifestado ao homem, para reconduzi-lo a Si Próprio, do outro lado, o diabo tem se mostrado, sempre disfarçado, para afastar o homem da verdade.

Tanto na história quanto ao longo da Bíblia, podemos encontrar referência aos “deuses que eram adorados pelas antigas civilizações”. A Suméria foi a primeira grande civilização que cultuava os “deuses vindos do céu”, conhecidos como os “Anunnakis ou Anannakis” que, segundo registros arqueológicos a época (aprox. 3.600 a.C.), eram seres que vieram do espaço à Terra (alienígenas) e plantaram as primeiras civilizações.

Na Bíblia encontramos advertências contra esses “deuses estranhos”, e a ordem de adorar ao ÚNICO DEUS VERDADEIRO.

Quando pois, as Escrituras Sagradas fazem menção de “deuses”, não está apenas mencionando “estátuas ou ídolos”, mas aos “seres que esses ídolos representavam – 1 CO. 10:19-20.

Vemos, pois, que já nas civilizações antigas a humanidade era enganada por “seres vindos do céu”, e atualmente não é diferente.

Manifestações místicas, sobrenaturais, continuam a ocorrer no meio da sociedade para desviar as pessoas da Verdade.

Cartomantes, médiuns, sensitivos, clarividentes… o exército do pai da mentira parece não ter fim, de tão diversificado que é.

Benzimentos, talismãs, amuletos, simpatias, feitiços, “passes”, e um sem-número de ações criadas pelo enganador têm aprisionado aqueles que não buscam na Palavra de DEUS orientação ou direção para suas vidas.

A cada ação ou obra buscada nas sombras, o homem atrai para si as trevas e Cristiciísmo: CRISTICIÍSMO - A VERDADE E A LUZ DIVINAse afasta da verdadeira Luz.

JESUS veio como Luz a este universo para que, ao crermos (acreditarmos) nELE, não permaneçamos nas trevas
(JO. 12:46)

E você, já conhece a JESUS e anda na Sua Luz?


A INJUSTIÇA FEITA COM A MATEMÁTICA

bLOg: A MATEMÁTICA DIVINA

Poucos sabem, mas essa palavra veio da expressão grega mathematike tekhne, “ciência matemática”, de mathematikos, “científico, relativo à Matemática”, de mathema, “ciência, conhecimento em geral, conhecimento matemático”, relativo a manthanein, “aprender”.

Para facilitar sua compreensão, ela possui subdivisões, entre as quais estão a trigonometria, que trata das relações entre os lados e os ângulos dos triângulos. Seu nome vem do Grego trigonon, “triângulo”, de tri, “três”, mais gonon, “ângulo”, mais metron, “medida”, derivado do Indo-Europeu me-, “medir”. Também há a geometria, que veio do Grego geometria, “medida da terra”, de geo, “terra”, mais metron. Ela surgiu da necessidade prática de definir o tamanho dos terrenos de plantação, quando o ser humano começou a se ocupar da agricultura como meio de subsistência. Há ainda uma parte que não lida com figuras e não exige régua e compasso: é a aritmética, do Grego arithmetike tekhne, “a arte ou técnica de lidar com os números”, de arithmos, “contagem, quantidade, número, suposição”.

Não podemos esquecer ainda da álgebra, cuja origem está no Árabe al-jabr, “redução, reunião de partes quebradas”, usado no século XVI por um matemático chamado Al-Qwarizmi no título de seu tratado sobre as equações. É interessante notar que, por muito tempo, esse termo foi usado em inglês para dizer também “redução de fraturas ósseas”.

Por último temos dentro da matemática a matéria de cálculo, cujo termo vem do Latim calculus, “estimativa, contagem”, originalmente “pedrinha usada para fazer contas”. Deriva de calx, “pedra calcárea”, do Grego khalix, “seixo, pedra pequena”.

Para trabalharmos com todas essas subdivisões da matemática, trabalhamos com várias operações, palavra originária do latim “operare” – trabalhar, realizar um esforço. Dentro das operações trabalhamos a soma, originária do latim “summa” (número total, inteiro, essência) que vem de “summus” (o mais alto, superlativo de super, “acima de”). Quando falamos de soma, estamos tratando da adição, originária do latim “adere” (acrescentar a, juntar-se, colocar sobre), uma forma combinada de ad, uma forma combinante de “dare” (dar). Outra operação é a subtração, do latim “subractio” (retirada), de sub (de baixo) mais “trahere” (puxar, arrastar). Isto porque subtrair é retirar um número ou uma coisa de outra. Esta pode ser chamada também de diminuição, do Latim deminuere, “tornar menor, retirar”, formado por de-, “fora”, mais minuere, “tornar pequena alguma coisa, reduzir o tamanho de”, relacionado com minus, “menos”. Depois temos a multiplicação, do Latim multiplicatio, “ato de aumentar, tornar várias vezes maior em número”, de multus, “muitos, muito”, mais plex, “dobra”. Juntamente com ela, geralmente vem a divisão, do Latim dis-, “fora”, mais videre, “separar”. Essa operação separa um número e apresenta como resultado um quociente, que vem do Latim quotiens, “quantas vezes? Quão seguido?”, de quot, “quanto?”. E essa operação se usa muitas vezes para descobrir o resultado de uma fração, do Latim fractio, “aquilo que é partido em pedaços”, de frangere, “quebrar”.

Por falar em fração, vale lembrar que aquele número que se apresenta sobre o traço de fração é o numerador, do Latim numerator, “aquele que conta”, de numerus, “número”.

E que o que vai abaixo desse traço é o denominador, do Latim denominator, “aquele que nomeia, que atribui um nome”, formado por de, “de” mesmo, mais nomen, “nome”.

Depois disso tudo, ainda temos uma operação chamada de radiciação, que vem de “raiz”, oriunda do Latim radix, “base, fundamento”. Uma raiz é o fundamento por onde a árvore se fixa ao solo, a raiz de uma palavra é a base de onde ela evoluiu, a raiz quadrada ou cúbica de um número é a base de onde ele surgiu, depois de determinadas operações.

Claro, não poderíamos deixar de fora a potenciação, que vem de “potência”. do latim “potentia”, relacionado a “potens”, “aquele que pode, que consegue”, de “potere”, “poder”. A utilização de potências começou aproximadamente em 1000a.C. em algumas tabelas babilônicas, com cálculos de acordo com seu sistema de numeração sexagesimal. Também foram encontrados cálculos com potências em papiros egípcios, entre eles, demonstrando cálculos do volume de uma pirâmide, usando um par de pernas como símbolo para o quadrado de um número. A palavra “potência” foi utilizada pela primeira vez por Hipócrates de Quios (470−410a.C.), num célebre livro em que reuniu, de modo lógico e organizado, a Geometria da época, e tal livro, considerado o primeiro em Geometria, foi precursor dos Elementos, de Euclides, no qual dizem que Euclides recolheu muitas informações importantes. Hipócrates designou o quadrado de um segmento pela palavra “dynamis”, que significa precisamente, potência.

Por fim, resta dizer que essa matéria não deveria, de forma alguma, ser associada à uma “má” “temática”, porque é pra lá de interessante, cativante, impressionante, já que é uma linguagem conhecida universalmente, como os acordes musicais que, aliás, são também sempre relacionados com a matemática. Quem estuda música sabe do que falo aqui. As notas musicais, os tempos, os acordes… tudo gira em torno da matemática.

Sinceramente, para mim essa disciplina deveria ser chamada DIVINATEMÁTICA, para fazer jus a tudo que ela abrange… Porque ela abrange o que é infinito!

COMO A VIDA CRISTÃ SE MANIFESTA–PARTE III

As caracteristicas de uma vida cristãLEITURA: Evangelho de Lucas…
1:3,4  – 4:1-12  – 5:16  – 6:27-31  – 9:1,2,49,50  – 12:15,31  – 14:33 – 16:9,13,18 – 19:8,9 – 20:21

* 1:3,4
Lucas, o médico, buscou informações minuciosas sobre a vida e obra de JESUS e de Seus apóstolos, antes de se pôr a escrever este Evangelho, bem como o livro de Atos dos Apóstolos, que também foi escrito por ele (AT. 1:1).

Embora não fosse um dos doze apóstolos escolhidos por JESUS (MC. 3:13-19) não obstante, era companheiro de Marcos e ambos, companheiros de Paulo (CL. 4:14; 2 TM. 4:11; FM. 24). Ainda que nem Marcos e nem Lucas fossem apóstolos, eram, todavia, discípulos de JESUS, e conviveram entre os apóstolos, o que lhes proporcionou e facilitou a escrita dos livros de Marcos e de Lucas.

* 4:1-13
Na ocasião do batismo de JESUS, o ESPÍRITO SANTO O encheu e O conduziu para o deserto, para ser tentado pelo Diabo. Ali no deserto, após jejuar quarenta dias e quarenta noites, o Diabo tenta levar JESUS a “provar que É o Filho de DEUS”, tentando fazê-lO duvidar do que Lhe foi dito no momento de Seu batismo (MT. 3:17). JESUS, porém, não cede a essa provocação, citando as Sagradas Escrituras e mostrando que a Palavra de DEUS é tão (ou mais) essencial à vida humana quanto o próprio pão, que é o alimento mais básico.
Para cada assédio do Diabo, JESUS tinha nos lábios (e também no coração) um texto das Escrituras, e foi pelas Escrituras que JESUS venceu o Diabo.
Se o próprio JESUS usou as Escrituras para derrotar Satanás, certamente que cada cristão deve fazer o mesmo, não julgando que pode, sem a Palavra de DEUS, derrotá-lo.

* 5:16
JESUS tinha por costume retirar-se e ficar sozinho para orar. Este exemplo certamente deve ser seguido por todos aqueles que O seguem, pois a melhor forma de ter um tempo de qualidade com DEUS, é estando a sós com ELE. E não apenas isso, mas buscar estar livre de quaisquer distrações (celulares, ou qualquer coisa que possa provocar uma distração). Ao nos apresentar diante de DEUS para nosso momento “em particular com ELE”, se possível levemos apenas a Sua Palavra.

* 6:27-31
Aqui temos uma série de realizações que são totalmente sobrenaturais, isto é, é impossível realizá-las sem estar sob o domínio do ESPÍRITO SANTO.
Amar nossos inimigos, orar por quem nos calunia e persegue, fazer o bem a quem nos odeia, oferecer a outa face, quando feridos, dar nossas vestes a quem quiser tirá-las de nós, em lugar de lutar por elas… Nada disso é possível pela força natural do homem, mas é necessário que estejamos sob o controle do ESPÍRITO SANTO a fim de que tais coisas sejam possíveis em nossa vida.

Vida Cristã (@VidaCristaHoje) | Twitter* 9:1,2, 49, 50
O Evangelho do Reino tem como foco a “edificação da Igreja de CRISTO” – MT. 16:18, onde cada cristão, cada discípulo é membro desse Corpo – 1 CO. 12:12-28, pois a Igreja é o Corpo de CRISTO. Acontece, porém, que “onde estiverem dois ou três reunidos em Seu Nome, ali o SENHOR JESUS está”, e não apenas no lugar onde eu ou você estamos reunidos (MT. 18:20). Pensar que somente este ou aquele grupo é a Igreja, é um erro crasso, é uma total falta de discernimento do que seja o Corpo de CRISTO.

* 12:15,31
Outra característica da vida cristã é a “fuga da avareza”, é a busca por uma vida simples, sem luxo, buscando acima de tudo o Reino de DEUS.Em nossos dias, em que as pessoas têm sido levadas a “ter” antes de “ser”, ou seja, a possuir coisas, e usar pessoas, quando deveriam “ter” pessoas e “usar” coisas, essa Palavra de DEUS se torna essencial, pois devemos fugir da avareza. Precisamos entender que o SENHOR não mede alguém pela quantidade de bens que possui, e sim pelo que é e também pelo quê e para quem tem vivido (vs.16-21).

* 14:33
Para sermos verdadeiros discípulos de JESUS, é necessário renunciar a tudo o que temos, todos os nossos bens, projetos, sonhos, vontades e nossa própria vida. Isso não significa, é claro, que tenhamos que doar tudo que temos e tirar a própria vida, pelo contrário, significa que temos que colocar todas as coisas à disposição do SENHOR JESUS, reconhecendo que ELE, e não nós, É o legítimo dono daquilo que está em nossas mãos e que, portanto, devemos gerir todas as coisas de acordo com a vontade e propósito dELE. Nosso tempo, nossa energia, nossa força, nosso intelecto, nossa vida… tudo é DELE.
Temos nós consciência disto?
Como estamos usando todas essas coisas?
Estamos buscando cooperar com o projeto do SENHOR, ou tentando realizar os nossos? Estamos aplicando na Sua Casa, ou na nossa? Reflitamos nas palavras do profeta Ageu (AG. 1:2-11).

* 16:9,13,18
Praticando a Vida Cristã - Home | FacebookO SENHOR JESUS mostra, aqui, o que deve ser feito com os bens e riquezas em nossas mãos: conquistar pessoas (amigos) para o Reino Eterno (v.9). Ao mesmo tempo, ELE mostra que, se não O servimos com “nosso dinheiro”, então estamos servindo a Mamon (o demônio da avareza, que impulsiona o homem a desejar mais do que precisa).
Se o dinheiro em nossas mãos ou em nosso poder não está sendo usado para levar pessoas ao SENHOR JESUS, certamente está nos levando a servir Mamon, e as riquezas terão feito de nós seus escravos (v.13).
É interessante percebermos que JESUS colocou esse tema (riquezas) juntamente com o assunto do casamento, afirmando que “qualquer que repudiar seu cônjuge e casar novamente está adulterando”.
Isso deveria nos levar a refletir sobre o que está em Tiago 4:4, pois a Palavra de DEUS afirma de maneira contundente que “a amizade do mundo é inimizade contra DEUS”, mais que isso, mostra que a amizade do mundo nos torna adúlteros, pois ou agradamos a DEUS, ou ao “mundo”.
O mesmo se dá com o que fazemos com “nossas posses”. A quem servimos? Temos consciência que o termo “adulterar” tem o mesmo sentido de “corromper”, e que o termo “corromper” significa “mudar o propósito original”?
Portanto, somos também adúlteros ao usar o que temos de forma diferente daquela que DEUS idealizou ou quis. Isso é muito forte!

* 19:8,9
Quer ser como Zaqueu? - Economia Segundo a BíbliaPoucos conhecem a história de Zaqueu, o publicano. Ele era um “chefe dos publicanos”, e era rico. Os publicanos, para quem não sabe, eram judeus contratados por Roma para cobrar impostos de seus concidadãos, e normalmente eram mal vistos porque “cobravam mais do que lhes era ordenado por Roma”, fazendo disso sua fonte de lucro (LC. 3:12,13).
Ao receber JESUS em sua casa, Zaqueu decide repartir metade de seus bens com os pobres e, além disso, decide “restituir” quatro vezes mais o que tomou a mais das pessoas. Esta é uma atitude genuína de quem realmente conhece e segue a JESUS; todo o mal feito no passado deve, sempre que possível, ser desfeito, corrigido (HB. 12:13).
Dívidas devem ser pagas, pessoas ofendidas devem ser procuradas para se pedir perdão… Isso é o resultado da ação do Espírito Santo no cristão.

* 20:21
Por fim, a exemplo de nosso Mestre, devemos ensinar “com verdade” O Caminho de DEUS (JO. 14:6) não nos deixando influenciar pela aparência das pessoas, pois O SENHOR não vê o que está diante de nossos olhos, pois vê o coração e a intenção das pessoas – (1 SM. 16:7; HB. 4:12; MT. 9:4).
Logo, ao falar do Evangelho, não devemos olhar a aparência das pessoas, quer para agradá-las, quer para temê-las ou mesmo menosprezá-las. A todos devemos tratar de igual forma, sempre com respeito e com amor.