A EDUCAÇÃO DE ONTEM E DE HOJE

        Em se tratando da educação (embora eu prefira o termo “ensino”), se olharmos o passado e com

Students thorwing paper and airplanes in class at the elementary school

pararmos com o presente, poderemos ver um gritante distanciamento entre o resultado da educação do passado, e o que presenciamos atualmente. Há uma diferença abissal entre ambas.

        A despeito do que possa ser dito por aqueles que hoje são tidos como os fundadores da “Nova Escola”, dos novos métodos e práticas educacionais, não há como negar que, embora pareça que as escolas do ensino fundamental hoje sejam mais “avançadas”, “modernas”, etc. – o que não deixa de ser verdade, se compararmos as tecnologias dos dois tempos – é evidente que o sistema educacional do passado produziu “bons frutos”, cidadãos respeitosos, enquanto que o atual sistema de ensino tem formado ignorantes brutos, com quase total ausências de valores éticos e morais, indivíduos preocupados unicamente com o bem estar próprio.

        A sociedade, como um todo, perdeu o bom senso, perdeu a direção, e isto é notório! Basta uma olhada à nossa volta!

       Nunca a sociedade esteve são bem amparada por tecnologias de ponta, nunca, em toda a história tivemos tantos recursos em nossas mãos, recursos que deveriam causar uma revolução na educação de nosso país, uma revolução benéfica, porém o contrário é o que tem acontecido!

       As tecnologias da informação – a informática – e os avanços tecnológicos de um modo geral, colocam à disposição de professores e alunos um universo quase ilimitado de informações; porém, o resultado desse excesso de informação tem sido uma DEFORMAÇÃO DO INDIVÍDUO, e não a formação de MELHORES CIDADÃOS.

       Isto porque, junto com o avanço tecnológico, houve também um desvio de valores, e a ausência de valores de um grupo social, com as TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) são disseminados com uma velocidade acima da compreensão humana.

       A criação de leis como o E.C.A., tem enfraquecido – senão tirado de todo – a autoridade dos pais sobre os filhos, dos professores sobre seus alunos, dos patrões sobre seus empregados, e a figura da autoridade, de uma forma geral, tem sido solapada em todos os cantos da sociedade.

       A ordem deu lugar ao caos, a obediência deu lugar à rebelião, o respeito deu lugar ao desrespeito, a moral à imoralidade…

       Os jovens já não respeitam aos mais velhos, os garotos já não são cavalheiros respeitosos com o sexo oposto, e a bestialidade assumiu o lugar da humanidade.

        Outrora, nas escolas, a figura do professor era equiparada à dos pais… Os alunos sabiam que a escola era (e ainda é) uma extensão de suas casas. A autoridade dos pais era reforçada pelos professores, e a destes, reforçada pelos pais… Pais e mestres se uniam para formar cidadãos honestos, críticos, respeitosos, trabalhadores.
Para tanto, disciplinas escolares como Educação Moral e Cívica traziam o entendimento correto do patriotismo, do devido respeito aos símbolos nacionais como a Bandeira Nacional, o Hino Nacional, e às Armas Nacionais. Traziam também o entendimento do devido respeito e obediência aos mais velhos, por serem portadores de uma sabedoria prática, adquirida pelos anos de experiência. A disciplina de O.S.P.B. – Organização Social e Política Brasileira introduzia os alunos no conhecimento da organização da sociedade, dos órgãos públicos, municipais, estaduais e federais, bem como lhes dava uma medida de conhecimento político para saber o que cobrar de seus representantes políticos – vereadores, governadores, senadores, presidente. O Ensino Religioso, ainda que dentro da liturgia católica romana, dava, no entanto, aos alunos o conhecimento da fé cristã – nada mais coerente para um país que se intitula um país “cristão” (?). Havia, ainda, Técnicas para o Trabalho, onde os alunos eram iniciados em pequenos trabalhos manuais… meninas nos afazeres femininos, como costura, bordado, crochê, etc., e os meninos em atividades masculinas, como pequenos reparos domésticos, e serviços que poderiam fazer para ajudar os pais. Os afazeres domésticos eram contemplados em tais aulas.

        O resultado dessa educação “retrógrada” como podem chamar alguns defensores da nova escola, foram cidadãos começaram muito cedo a ser responsáveis, pessoas trabalhadoras, respeitadoras da propriedade alheia, pessoas que se relacionavam com cortesia umas com as outras. Os alunos respeitavam seus professores, havia ordem nas salas de aula, e um conhecimento privilegiado era compartilhado ali.
Hoje, o que temos? Mais de 90% dos professores usando psicotrópicos, antidepressivos, para conseguirem se manter diante dos alunos que, em momento algum respeitam o profissional que está diante deles, que, aliás, nem conhecem o conceito – quem dirá a prática – de palavras como respeito, solidariedade, moral, civismo.
A sala de aula tem se tornado um verdadeiro “covil”, onde um bando de “lobos”, ou “bestas” mostra-se hávido por destruição, por expressar plenamente seus instintos animais… Da boca dos estudantes de hoje emerge um mar de palavrões, impropérios, obscenidades… E não só de seus lábios, mas até mesmo em ações.
Se um professor tenta lhes mostrar o erro de suas ações ou palavras, este é agredido verbalmente – e até fisicamente – pelas “doces” crianças, que, aos olhos dos defensores do E.C.A., só têm direitos e praticamente nenhum dever.

        As crianças já não podem ser alvo de repreensão ou de castigo, sendo deixadas entregues à si mesmas, quando a Bíblia, na verdade, afirma que a aplicação da “vara da disciplina” livrará suas almas do inferno – Provérbios 23:13, 14.

       É uma idiotice alguém julgar-se mais sábio do que Salomão – o homem mais sábio que já pisou nosso planeta! Pior, que isto, julgar-se mais sábio que o Grande Arquiteto do Universo, que criou leis perfeitas, que inspirou homens como Salomão a registrar pequenas partículas de Sua sabedoria.

      O abandono dos princípios estabelecidos pelo Grande Arquiteto e Construtor do Universo, só tem levado a sociedade ao caos, à ausência de solidariedade, à perder o senso da liberdade e da fraternidade que deveria permear todos os relacionamentos sociais. Pelo contrário, o que prevalece na sociedade, e mormente nas instituições de ensino, é a “lei da selva”, onde o mais fraco sucumbe diante do mais forte, como se, entre os homens, devesse prevalecer o que chamam de “seleção natural das espécies”.

       Liberdade, Fraternidade e Solidariedade deveriam ser evidentes em todas as áreas da sociedade, e não a competitividade e a busca pelo lucro a qualquer preço!

       A indisciplina demonstrada nas salas de aula de hoje, o baixo nível de aprendizagem demonstrado pelos alunos, a falta de respeito e a imoralidade gritante da sociedade deveriam bastar para mostrar que a escola da forma como foi “remodelada” pelos novos pensadores, fracassou!
Por essa razão, ao meu ver, um mínimo de bom senso deveria levar as pessoas a comparar o “fruto” produzido pelas escolas e instituições educacionais, e aquele que tem sido produzido no seio das famílias que praticam a Educação Domiciliar! Contra fatos não há argumentos! Nos países onde as famílias têm total liberdade de educar seus filhos em seus lares – longe das escolas – o resultado tem sido estudantes muito melhor qualificados para resolver problemas, do que os que se formam nas escolas “tradicionais”. Qualquer pesquisa séria demonstrará isto!
Claro que só quem tem bom senso, e deseja melhores cidadãos, é que levará uma pesquisa de tal envergadura a sério! Os dados estão aí para serem vistos!
Até quando vamos produzir párias em nossa sociedade? Até quando vamos tolerar que a verdadeira educação seja solapada por um amontoado de conteúdos ineficaz?

        Fica para você pensar a respeito!

 

Print Friendly, PDF & Email
Anúncios

Sobre Carlos Bächtold

Professor pós-graduado, profeta, pai, blogueiro, escritor. Atua na rede pública de educação como professor de informática. Atuando há mais de 30 anos na área da Tecnologia da Informação, desenvolveu vários trabalhos que podem ser encontrados na internet. Casado com Adriana Bahiense Scansetti Bächtold, com quem tem dois filhos: Daniel e Débora.
Esta entrada foi publicada em Artigo, Depoimentos, POST e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.