Rudimentos da Doutrina Cristã (continuação)

Semeador_01Em nossa postagem de 09/10/2019 começamos a abordar os Rudimentos da Doutrina de CRISTO (ou da fé cristã), abordando, nessa data, o primeiro dos sete rudimentos citados em Hebreus 6:1,2 que é o Fundamento.

Hoje, falarei sobre o segundo rudimento que é, no texto em questão, o Arrependimento de Obras Mortas. Antes, porém, é preciso que tenhamos compreensão do que significa, no contexto da Bíblia Sagrada, do significado dos termos “Arrependimento” e “Obras Mortas”, para, então, termos uma compreensão ampla deste rudimento ─ Arrependimento de Obras Mortas.

Os estudiosos da Bíblia Sagrada sabem que o Antigo Testamento foi escrito em hebraico, e o Novo Testamento foi escrito em grego koiné (partes) e em aramaico (partes). Logo, como estamos tratando do texto de Hebreus 6:1,2 (Novo Testamento), vamos buscar no grego koiné o sentido dos termos em questão, contextualizando-o, também, com o que está dito também no Antigo Testamento sobre em relação às mesmas palavras, para não cairmos em erro interpretativo. Vamos deixar que a própria Bíblia interprete-se a si mesma.

O termo arrependimento tem origem no grego “metanóia” que significa mudança de pensamento, mudança de atitude, mudança de direção, conversão. Tal compreensão já nos dá clareza sobre o uso do termo “arrependei-vos” que acompanha a pregação do Evangelho, não apenas por João Batista, como pelo próprio JESUS (MT. 3:2).

Em relação às “obras mortas”, lendo Hebreus 9:14 nós vemos o texto falando sobre “purificação de nossa consciência das obras mortas para servir a DEUS”; já em Romanos 8, Paula fala que “os que estão na carne não podem agradar a DEUS” (v.8) e em Gálatas 5:19-21 temos uma relação de “obras da carne”. Analisando essas passagens à luz de Efésios 2:1-3, podemos inferir que quando fazemos a vontade da carne (natureza caída de Adão), quando buscamos satisfazer nossos próprios prazeres, pelo fato de estarmos “mortos em ofensas e pecados” nossas obras não passam de “obras mortas”, isto é, elas são destituídas da vida Divina, não são o fruto ou o produto da ação do Espírito Santo, e portanto, não agradam a DEUS… Nem mesmo aquelas obras que a sociedade julga piedosas, boas obras.

Há certos grupos religiosos que valorizam muito as “boas obras”, julgando que, pela prática de boas obras, o homem pode alcançar algum favor da parte de DEUS, pode ser aceitável a DEUS, outros, ainda, acham que a prática de boas obras produz algum tipo de evolução espiritual em quem as pratica… Nada disso é verdade!

O profeta Isaías declarou que “todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças, como ‘trapo de imundícia’” (IS. 64:6). O próprio DEUS declara que os Seus caminhos são mais elevados que os nossos caminhos e Seus pensamentos mais altos do que os nossos pensamentos – IS. 55:8,9.

De fato, não há nada que o homem possa fazer que o religue a DEUS, por isso a religião humana é vã, não importa qual seja o título dado a ela.

Pelo fato de que ao homem é impossível religar-se a DEUS, o próprio DEUS tomou a forma humana, nasceu como homem e tornou-se, ELE próprio, o Caminho para a comunhão com DEUS – IS. 7:14; MT. 1:23; JO. 1:1-3, 14; 14:6.

JESUS É O ÚNICO CAMINHO!

Não há outra forma de reconciliação com DEUS, não há outra forma de aproximar-se de DEUS.

Qualquer outra prática deve nos levar ao arrependimento! Nos arrependamos de nossas obras mortas! Nos voltemos para DEUS! Creiamos no Evangelho!

Print Friendly, PDF & Email
Anúncios

Sobre Carlos Bächtold

Professor pós-graduado, profeta, pai, blogueiro, escritor. Atua na rede pública de educação como professor de informática. Atuando há mais de 30 anos na área da Tecnologia da Informação, desenvolveu vários trabalhos que podem ser encontrados na internet. Casado com Adriana Bahiense Scansetti Bächtold, com quem tem dois filhos: Daniel e Débora.
Esta entrada foi publicada em Artigo. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.