CHAMADO ÀS ARMAS

Leitura: 2 CO. 10:3-5; EF. 6:11-18; 2 TM. 2:3-5

Saiba qual é o passo a passo para o Brasil entrar em uma guerra ...Ao olhar a situação de muitos (senão a maioria) cristãos, a impressão que tenho é que, em suas mentes, acreditam que quando foram alcançados pelo SENHOR JESUS, receberam uma entrada para um “resort” ou “uma colônia de férias”; que acreditam que por receber em suas vidas O Príncipe da Paz, terão uma vida livre de problemas e de sofrimento, que não terão quaisquer conflitos ou que, simplesmente, não terão que participar de luta alguma, senão contra seus próprios desejos carnais… Não foi o que JESUS prometeu (JO. 14:27).

JESUS afirmou categoricamente “no mundo tereis aflições”. Que tipo de aflições? Na carta do apóstolo Paulo à Timóteo, encontramos registrado que “fomos alistados para uma guerra”, porém essa guerra, essa luta, não é contra pessoas de carne e sangue, mas sim contra principados, potestades, príncipes das trevas deste século (deste mundo), hostes espirituais da maldade. E ainda mais, essa luta não se dá em nossa esfera terrena, em nosso mundo físico, e sim “nas regiões celestiais” (EF. 6:12).

Mas, como que, pessoas habitando na Terra, podem batalhar nas regiões celestes? Será que é uma batalha tipo Star Wars? Com discos voadores, sabres de luz, e tudo o mais? Não! É algo muito, muito diferente, e porém mais poderoso. Leia, com bastante atenção, o capítulo 10 do livro de Daniel, no Antigo Testamento…

Daniel, um homem hebreu (judeu), e também um profeta do Verdadeiro DEUS, se colocou diante de DEUS para buscar o entendimento de uma visão, e entra num período de jejum e oração por três semanas completas (21 dias – DN. 10:2,3). Assim que ele começou a buscar a DEUS, um anjo lhe foi enviado com a resposta (v. 12), porém o “príncipe do Reino da Pérsia” (um príncipe angelical, um principado) se opõe a esse anjo, e isso durou vinte e um dias (as três semanas). O anjo só pôde passar quando “um dos primeiros príncipes, Miguel”, vem em seu auxílio. Ou seja, o arcanjo (principado angelical que governa uma nação) do reino da Pérsia se opusera à resposta de oração do hebreu, e o anjo portador da resposta só conseguiu passar quando o arcanjo Miguel (o arcanjo de Israel – conforme DN. 12:1; JD. 9).

Ainda em Efésios 2:2,3 encontramos que este mundo segue “o príncipe” das “potestades” do ar, que não é outro senão o próprio satanás, a quem JESUS chamou de “o príncipe deste mundo” (o governador deste mundo) – JO. 12:31; LC. 4:5,6 1 JO. 5:19…).

Você percebe, portanto, a importância de cada cristão saber qual sua posição como soldado de JESUS CRISTO (2 TM. 2:3)? Mais ainda, a importância de conhecer quais são as “armas poderosas em DEUS para a destruição de fortalezas, e capaz de levar cativo todo o entendimento à obediência de CRISTO” (2 CO. 10:4,5)?

G1 > Pop & Arte - NOTÍCIAS - Tom Hanks e Spielberg retornam aos ...Você não está em uma colônia de férias! Não está em um “resort”!
Você está “alistado para uma guerra”!
Porventura já sabe que arma espiritual DEUS confiou a você?
Como está seu “treinamento” com a arma que DEUS lhe confiou?
Se o dia mau se levantar diante de você, você resistirá (EF. 6:13)?

Reflita bem nisso, meu irmão, minha irmã…
Prepare-se! A batalha já se aproxima! E hoje O SENHOR passa em revista o exército de guerra (IS. 13:4).

Saiba, amado(a), que o inimigo tem uma preocupação quanto aos filhos de DEUS ─ mantê-los como meninos espirituais (1 CO. 3:1-4), pois “meninos não são capazes de ser soldados, de lutar contra o inimigo e vencê-lo” (1 JO. 2:14).

É necessário alimentar-se do “leite racional não falsificado”, para ir crescendo no conhecimento de DEUS (1 PE. 2:2). Alimente-se com a pura palavra de DEUS! Deixe de lado as interpretações teológicas, humanas, e busque no ESPÍRITO SANTO, na oração, e na comunhão íntima com DEUS conhecer o seu lugar no exército do SENHOR, para que, na batalha, seja vencedor(a).GUERRA ESPIRITUAL | A ARMADURA DE DEUS


Anúncios
Publicado em Artigo | Deixe um comentário

Benzimentos, Simpatias e o Evangelho

Leitura: IS. 8:19,20; 1 CO. 12:9; 2 CO. 11:13-15; AT. 16:16-18

Nos textos supra mencionados, vemos a proibição de DEUS quanto a buscar “espíritos familiares” ou “necromantes” (médiuns), adivinhos, prognosticadores, agoureiros, feiticeiros, encantadores, mágicos, magos… etc.

Essas consultas são vetadas ao filho de DEUS, porque colocam quem as faz (consultas) em contato com espíritos enganadores (demônios).

Cabe ao filho de DEUS consultar unicamente a DEUS e à Sua Palavra para obter direções para sua vida (IS. 8:19,20).

Os encantadores (benzedores) e os médiuns usam a mentira para produzir um bem-estar temporário naqueles que os buscam, mas o fim é puro engano.

Desde o princípio da humanidade o desejo de DEUS é de ter um relacionamento de Pai, Provedor, Protetor e Condutor com o homem. Foi assim que começou, lá no Éden.
Aí entrou a incredulidade por meio da mentira que o diabo semeou nos ouvidos de Eva, e o homem, então, por causa a incredulidade, deixou de ter em DEUS sua fonte de alegria, de segurança, de provisão… Teve que abandonar o lugar que DEUS fizera para ele e sua esposa, e teve que começar do zero, agora numa terra amaldiçoada (GN.3:17).

Engana-se quem achar que o diabo limitou-se àquela ação no Jardim do Éden, quando o homem entregou ao maligno o governo deste mundo.

Ao longo da história da humanidade, de uma lado, DEUS tem se manifestado ao homem, para reconduzi-lo a Si Próprio, do outro lado, o diabo tem se mostrado, sempre disfarçado, para afastar o homem da verdade.

Tanto na história quanto ao longo da Bíblia, podemos encontrar referência aos “deuses que eram adorados pelas antigas civilizações”. A Suméria foi a primeira grande civilização que cultuava os “deuses vindos do céu”, conhecidos como os “Anunnakis ou Anannakis” que, segundo registros arqueológicos a época (aprox. 3.600 a.C.), eram seres que vieram do espaço à Terra (alienígenas) e plantaram as primeiras civilizações.

Na Bíblia encontramos advertências contra esses “deuses estranhos”, e a ordem de adorar ao ÚNICO DEUS VERDADEIRO.

Quando pois, as Escrituras Sagradas fazem menção de “deuses”, não está apenas mencionando “estátuas ou ídolos”, mas aos “seres que esses ídolos representavam – 1 CO. 10:19-20.

Vemos, pois, que já nas civilizações antigas a humanidade era enganada por “seres vindos do céu”, e atualmente não é diferente.

Manifestações místicas, sobrenaturais, continuam a ocorrer no meio da sociedade para desviar as pessoas da Verdade.

Cartomantes, médiuns, sensitivos, clarividentes… o exército do pai da mentira parece não ter fim, de tão diversificado que é.

Benzimentos, talismãs, amuletos, simpatias, feitiços, “passes”, e um sem-número de ações criadas pelo enganador têm aprisionado aqueles que não buscam na Palavra de DEUS orientação ou direção para suas vidas.

A cada ação ou obra buscada nas sombras, o homem atrai para si as trevas e Cristiciísmo: CRISTICIÍSMO - A VERDADE E A LUZ DIVINAse afasta da verdadeira Luz.

JESUS veio como Luz a este universo para que, ao crermos (acreditarmos) nELE, não permaneçamos nas trevas
(JO. 12:46)

E você, já conhece a JESUS e anda na Sua Luz?


Publicado em Artigo | Deixe um comentário

A INJUSTIÇA FEITA COM A MATEMÁTICA

bLOg: A MATEMÁTICA DIVINA

Poucos sabem, mas essa palavra veio da expressão grega mathematike tekhne, “ciência matemática”, de mathematikos, “científico, relativo à Matemática”, de mathema, “ciência, conhecimento em geral, conhecimento matemático”, relativo a manthanein, “aprender”.

Para facilitar sua compreensão, ela possui subdivisões, entre as quais estão a trigonometria, que trata das relações entre os lados e os ângulos dos triângulos. Seu nome vem do Grego trigonon, “triângulo”, de tri, “três”, mais gonon, “ângulo”, mais metron, “medida”, derivado do Indo-Europeu me-, “medir”. Também há a geometria, que veio do Grego geometria, “medida da terra”, de geo, “terra”, mais metron. Ela surgiu da necessidade prática de definir o tamanho dos terrenos de plantação, quando o ser humano começou a se ocupar da agricultura como meio de subsistência. Há ainda uma parte que não lida com figuras e não exige régua e compasso: é a aritmética, do Grego arithmetike tekhne, “a arte ou técnica de lidar com os números”, de arithmos, “contagem, quantidade, número, suposição”.

Não podemos esquecer ainda da álgebra, cuja origem está no Árabe al-jabr, “redução, reunião de partes quebradas”, usado no século XVI por um matemático chamado Al-Qwarizmi no título de seu tratado sobre as equações. É interessante notar que, por muito tempo, esse termo foi usado em inglês para dizer também “redução de fraturas ósseas”.

Por último temos dentro da matemática a matéria de cálculo, cujo termo vem do Latim calculus, “estimativa, contagem”, originalmente “pedrinha usada para fazer contas”. Deriva de calx, “pedra calcárea”, do Grego khalix, “seixo, pedra pequena”.

Para trabalharmos com todas essas subdivisões da matemática, trabalhamos com várias operações, palavra originária do latim “operare” – trabalhar, realizar um esforço. Dentro das operações trabalhamos a soma, originária do latim “summa” (número total, inteiro, essência) que vem de “summus” (o mais alto, superlativo de super, “acima de”). Quando falamos de soma, estamos tratando da adição, originária do latim “adere” (acrescentar a, juntar-se, colocar sobre), uma forma combinada de ad, uma forma combinante de “dare” (dar). Outra operação é a subtração, do latim “subractio” (retirada), de sub (de baixo) mais “trahere” (puxar, arrastar). Isto porque subtrair é retirar um número ou uma coisa de outra. Esta pode ser chamada também de diminuição, do Latim deminuere, “tornar menor, retirar”, formado por de-, “fora”, mais minuere, “tornar pequena alguma coisa, reduzir o tamanho de”, relacionado com minus, “menos”. Depois temos a multiplicação, do Latim multiplicatio, “ato de aumentar, tornar várias vezes maior em número”, de multus, “muitos, muito”, mais plex, “dobra”. Juntamente com ela, geralmente vem a divisão, do Latim dis-, “fora”, mais videre, “separar”. Essa operação separa um número e apresenta como resultado um quociente, que vem do Latim quotiens, “quantas vezes? Quão seguido?”, de quot, “quanto?”. E essa operação se usa muitas vezes para descobrir o resultado de uma fração, do Latim fractio, “aquilo que é partido em pedaços”, de frangere, “quebrar”.

Por falar em fração, vale lembrar que aquele número que se apresenta sobre o traço de fração é o numerador, do Latim numerator, “aquele que conta”, de numerus, “número”.

E que o que vai abaixo desse traço é o denominador, do Latim denominator, “aquele que nomeia, que atribui um nome”, formado por de, “de” mesmo, mais nomen, “nome”.

Depois disso tudo, ainda temos uma operação chamada de radiciação, que vem de “raiz”, oriunda do Latim radix, “base, fundamento”. Uma raiz é o fundamento por onde a árvore se fixa ao solo, a raiz de uma palavra é a base de onde ela evoluiu, a raiz quadrada ou cúbica de um número é a base de onde ele surgiu, depois de determinadas operações.

Claro, não poderíamos deixar de fora a potenciação, que vem de “potência”. do latim “potentia”, relacionado a “potens”, “aquele que pode, que consegue”, de “potere”, “poder”. A utilização de potências começou aproximadamente em 1000a.C. em algumas tabelas babilônicas, com cálculos de acordo com seu sistema de numeração sexagesimal. Também foram encontrados cálculos com potências em papiros egípcios, entre eles, demonstrando cálculos do volume de uma pirâmide, usando um par de pernas como símbolo para o quadrado de um número. A palavra “potência” foi utilizada pela primeira vez por Hipócrates de Quios (470−410a.C.), num célebre livro em que reuniu, de modo lógico e organizado, a Geometria da época, e tal livro, considerado o primeiro em Geometria, foi precursor dos Elementos, de Euclides, no qual dizem que Euclides recolheu muitas informações importantes. Hipócrates designou o quadrado de um segmento pela palavra “dynamis”, que significa precisamente, potência.

Por fim, resta dizer que essa matéria não deveria, de forma alguma, ser associada à uma “má” “temática”, porque é pra lá de interessante, cativante, impressionante, já que é uma linguagem conhecida universalmente, como os acordes musicais que, aliás, são também sempre relacionados com a matemática. Quem estuda música sabe do que falo aqui. As notas musicais, os tempos, os acordes… tudo gira em torno da matemática.

Sinceramente, para mim essa disciplina deveria ser chamada DIVINATEMÁTICA, para fazer jus a tudo que ela abrange… Porque ela abrange o que é infinito!

Publicado em Artigo | Deixe um comentário

COMO A VIDA CRISTÃ SE MANIFESTA–PARTE III

As caracteristicas de uma vida cristãLEITURA: Evangelho de Lucas…
1:3,4  – 4:1-12  – 5:16  – 6:27-31  – 9:1,2,49,50  – 12:15,31  – 14:33 – 16:9,13,18 – 19:8,9 – 20:21

* 1:3,4
Lucas, o médico, buscou informações minuciosas sobre a vida e obra de JESUS e de Seus apóstolos, antes de se pôr a escrever este Evangelho, bem como o livro de Atos dos Apóstolos, que também foi escrito por ele (AT. 1:1).

Embora não fosse um dos doze apóstolos escolhidos por JESUS (MC. 3:13-19) não obstante, era companheiro de Marcos e ambos, companheiros de Paulo (CL. 4:14; 2 TM. 4:11; FM. 24). Ainda que nem Marcos e nem Lucas fossem apóstolos, eram, todavia, discípulos de JESUS, e conviveram entre os apóstolos, o que lhes proporcionou e facilitou a escrita dos livros de Marcos e de Lucas.

* 4:1-13
Na ocasião do batismo de JESUS, o ESPÍRITO SANTO O encheu e O conduziu para o deserto, para ser tentado pelo Diabo. Ali no deserto, após jejuar quarenta dias e quarenta noites, o Diabo tenta levar JESUS a “provar que É o Filho de DEUS”, tentando fazê-lO duvidar do que Lhe foi dito no momento de Seu batismo (MT. 3:17). JESUS, porém, não cede a essa provocação, citando as Sagradas Escrituras e mostrando que a Palavra de DEUS é tão (ou mais) essencial à vida humana quanto o próprio pão, que é o alimento mais básico.
Para cada assédio do Diabo, JESUS tinha nos lábios (e também no coração) um texto das Escrituras, e foi pelas Escrituras que JESUS venceu o Diabo.
Se o próprio JESUS usou as Escrituras para derrotar Satanás, certamente que cada cristão deve fazer o mesmo, não julgando que pode, sem a Palavra de DEUS, derrotá-lo.

* 5:16
JESUS tinha por costume retirar-se e ficar sozinho para orar. Este exemplo certamente deve ser seguido por todos aqueles que O seguem, pois a melhor forma de ter um tempo de qualidade com DEUS, é estando a sós com ELE. E não apenas isso, mas buscar estar livre de quaisquer distrações (celulares, ou qualquer coisa que possa provocar uma distração). Ao nos apresentar diante de DEUS para nosso momento “em particular com ELE”, se possível levemos apenas a Sua Palavra.

* 6:27-31
Aqui temos uma série de realizações que são totalmente sobrenaturais, isto é, é impossível realizá-las sem estar sob o domínio do ESPÍRITO SANTO.
Amar nossos inimigos, orar por quem nos calunia e persegue, fazer o bem a quem nos odeia, oferecer a outa face, quando feridos, dar nossas vestes a quem quiser tirá-las de nós, em lugar de lutar por elas… Nada disso é possível pela força natural do homem, mas é necessário que estejamos sob o controle do ESPÍRITO SANTO a fim de que tais coisas sejam possíveis em nossa vida.

Vida Cristã (@VidaCristaHoje) | Twitter* 9:1,2, 49, 50
O Evangelho do Reino tem como foco a “edificação da Igreja de CRISTO” – MT. 16:18, onde cada cristão, cada discípulo é membro desse Corpo – 1 CO. 12:12-28, pois a Igreja é o Corpo de CRISTO. Acontece, porém, que “onde estiverem dois ou três reunidos em Seu Nome, ali o SENHOR JESUS está”, e não apenas no lugar onde eu ou você estamos reunidos (MT. 18:20). Pensar que somente este ou aquele grupo é a Igreja, é um erro crasso, é uma total falta de discernimento do que seja o Corpo de CRISTO.

* 12:15,31
Outra característica da vida cristã é a “fuga da avareza”, é a busca por uma vida simples, sem luxo, buscando acima de tudo o Reino de DEUS.Em nossos dias, em que as pessoas têm sido levadas a “ter” antes de “ser”, ou seja, a possuir coisas, e usar pessoas, quando deveriam “ter” pessoas e “usar” coisas, essa Palavra de DEUS se torna essencial, pois devemos fugir da avareza. Precisamos entender que o SENHOR não mede alguém pela quantidade de bens que possui, e sim pelo que é e também pelo quê e para quem tem vivido (vs.16-21).

* 14:33
Para sermos verdadeiros discípulos de JESUS, é necessário renunciar a tudo o que temos, todos os nossos bens, projetos, sonhos, vontades e nossa própria vida. Isso não significa, é claro, que tenhamos que doar tudo que temos e tirar a própria vida, pelo contrário, significa que temos que colocar todas as coisas à disposição do SENHOR JESUS, reconhecendo que ELE, e não nós, É o legítimo dono daquilo que está em nossas mãos e que, portanto, devemos gerir todas as coisas de acordo com a vontade e propósito dELE. Nosso tempo, nossa energia, nossa força, nosso intelecto, nossa vida… tudo é DELE.
Temos nós consciência disto?
Como estamos usando todas essas coisas?
Estamos buscando cooperar com o projeto do SENHOR, ou tentando realizar os nossos? Estamos aplicando na Sua Casa, ou na nossa? Reflitamos nas palavras do profeta Ageu (AG. 1:2-11).

* 16:9,13,18
Praticando a Vida Cristã - Home | FacebookO SENHOR JESUS mostra, aqui, o que deve ser feito com os bens e riquezas em nossas mãos: conquistar pessoas (amigos) para o Reino Eterno (v.9). Ao mesmo tempo, ELE mostra que, se não O servimos com “nosso dinheiro”, então estamos servindo a Mamon (o demônio da avareza, que impulsiona o homem a desejar mais do que precisa).
Se o dinheiro em nossas mãos ou em nosso poder não está sendo usado para levar pessoas ao SENHOR JESUS, certamente está nos levando a servir Mamon, e as riquezas terão feito de nós seus escravos (v.13).
É interessante percebermos que JESUS colocou esse tema (riquezas) juntamente com o assunto do casamento, afirmando que “qualquer que repudiar seu cônjuge e casar novamente está adulterando”.
Isso deveria nos levar a refletir sobre o que está em Tiago 4:4, pois a Palavra de DEUS afirma de maneira contundente que “a amizade do mundo é inimizade contra DEUS”, mais que isso, mostra que a amizade do mundo nos torna adúlteros, pois ou agradamos a DEUS, ou ao “mundo”.
O mesmo se dá com o que fazemos com “nossas posses”. A quem servimos? Temos consciência que o termo “adulterar” tem o mesmo sentido de “corromper”, e que o termo “corromper” significa “mudar o propósito original”?
Portanto, somos também adúlteros ao usar o que temos de forma diferente daquela que DEUS idealizou ou quis. Isso é muito forte!

* 19:8,9
Quer ser como Zaqueu? - Economia Segundo a BíbliaPoucos conhecem a história de Zaqueu, o publicano. Ele era um “chefe dos publicanos”, e era rico. Os publicanos, para quem não sabe, eram judeus contratados por Roma para cobrar impostos de seus concidadãos, e normalmente eram mal vistos porque “cobravam mais do que lhes era ordenado por Roma”, fazendo disso sua fonte de lucro (LC. 3:12,13).
Ao receber JESUS em sua casa, Zaqueu decide repartir metade de seus bens com os pobres e, além disso, decide “restituir” quatro vezes mais o que tomou a mais das pessoas. Esta é uma atitude genuína de quem realmente conhece e segue a JESUS; todo o mal feito no passado deve, sempre que possível, ser desfeito, corrigido (HB. 12:13).
Dívidas devem ser pagas, pessoas ofendidas devem ser procuradas para se pedir perdão… Isso é o resultado da ação do Espírito Santo no cristão.

* 20:21
Por fim, a exemplo de nosso Mestre, devemos ensinar “com verdade” O Caminho de DEUS (JO. 14:6) não nos deixando influenciar pela aparência das pessoas, pois O SENHOR não vê o que está diante de nossos olhos, pois vê o coração e a intenção das pessoas – (1 SM. 16:7; HB. 4:12; MT. 9:4).
Logo, ao falar do Evangelho, não devemos olhar a aparência das pessoas, quer para agradá-las, quer para temê-las ou mesmo menosprezá-las. A todos devemos tratar de igual forma, sempre com respeito e com amor.

Publicado em Artigo | Deixe um comentário

O DOMÍNIO DA MENTIRA

Leitura: GN. 2:17; 3:4; JO. 8:44; LC. 4:5,6; 1 JO. 5:19; EF. 2:2,3; CL. 1:13; RM. 6:3,4

Desde o momento em que DEUS criou a Terra e a entregou ao homem para que este a dominasse, o desejo do Criador era que a Terra fosse colonizada por Seus filhos, por homens e mulheres com a vida Divina em seu interior, por uma “semente de piedosos” (ML. 2:15).

Tudo estava bem nos primórdios da humanidade, até que o “pai da mentira” entrasse no Jardim do Éden e enganasse Eva (GN. 3:4; 2 CO. 11:4; JO. 8:44).

A partir daquele momento, ao escolher acreditar na mentira de satanás nos lábios de Eva (GN. 3:17), Adão entregou o governo do mundo ao Diabo, conforme LC. 4:5,6, por isso a Palavra de DEUS nos afirma que “o mundo todo jaz no maligno” (1 JO. 5:19).

Uma vez que todo o mundo jaz no maligno, deve-se esperar que o governante desse mundo odeie os cristãos, pois estes têm um Rei que virá e tirará o governo das mãos do usurpador; sim, JESUS já tem “despojado” o príncipe desde mundo, pois cada indivíduo que nasce de novo é um prisioneiro de satanás que é liberto.

Podemos dizer que após a queda do homem no Éden, o diabo criou uma “matriz”, um sistema ilusório organizado, que ilude, seduz e aprisiona a humanidade sem que esta se dê conta.

As ilusões e mentiras de satanás são como o canto das sereias que enfeitiçam os marinheiros e os atraem para a destruição de suas naus e para a morte certa.

Assim o príncipe deste mundo (João 12:31) tem enfeitiçado as pessoas, levando-as a gastar seus recursos e energia em busca de coisas que as mantém ocupadas a tal ponto que não têm tempo para buscar o Reino dos céus; pois acabam tão envolvidas com o trabalho, com os estudos e com o lazer, que praticamente só lhes sobra um mínimo de tempo para descansar.

O trabalho, que é para ser um instrumento através do qual o Reino de DEUS deva se tornar conhecido, tornou-se para as pessoas em uma masmorra onde, acorrentados à tempo e rotina, buscam conquistar sua satisfação pessoal ganhando mais dinheiro para poder adquirir bens e conforto pessoal.

Os estudos, cujo foco deveria ser conhecer a DEUS mais profundamente, e à Sua Palavra, fazendo o homem mais humilde, têm se tornado uma das principais causas da apostasia e do naufrágio na fé de muitos, pois que as instituições acadêmicas, como tudo o que é regido pelo diabo, têm desenvolvido uma forma de distanciar as pessoas de DEUS, levando-as a obter o conhecimento como um fim em si mesmo, e não como um meio para buscar a DEUS, que é a fonte mor de qualquer conhecimento. Assim, a ciência, em nossos dias, tem se tornado antagônica à fé, pois é desenvolvida sob a influência do pai da mentira.

Finalmente, os próprios passa-tempos, o lazer em suas múltiplas expressões, tem desenvolvido temas diversificados mas que, sutilmente, estão absorvendo a mente das pessoas e deixando-as incapazes de raciocinar e de perceber a nocividade das mentiras em forma até mesmo de lazer.

A Palavra de DEUS é muitíssimo clara ao nos ensinar sobre o caráter e nocividade da mentira…
Em AP. 22:15 e 21:27 a Bíblia afirma que todo aquele que “ama e pratica a mentira” não poderá entrar na “Cidade Santa”…
Em JO. 8:44 JESUS identifica a mentira como tendo origem no diabo. E em 1 JO. 2:21 a Palavra de DEUS nos diz que “nenhuma mentira vem da verdade”.

A primeira mentira dita por satanás fez com que Eva duvidasse (não cresse) na Palavra de DEUS e levasse o próprio Adão a não crer. Como consequência, ambos perderam (foram destituídos de) a glória de DEUS, foram repreendidos pelo Criador e expulsos do Jardim do Éden.
(GN; 2:17; 3:4, 6, 17, 23; RM. 3:23; 5:12).

A partir daquele momento, instaurou-se entre os homens o domínio da mentira. É interessante percebermos, ao longo da história humana, o quanto o diabo tem desenvolvido a mentira e, por meio dela, levado cativa a humanidade:

  • 90% da programação televisiva gira em torno da mentira, quer seja nos filmes, séries ou novelas, para o público juvenil e adulto, quer seja nos desenhos animados, voltados para as crianças;
  • Os jogos de tabuleiro, que são um ótimo exercício mnemônico (mental), deram lugar aos vídeo-games e à um sem número de jogos eletrônicos que têm enchido a mente dos jovens com um “mundo virtual”, que nada mais é senão “uma mentira quase real”, uma ilusão que tem transformado as pessoas em verdadeiros zumbis, apáticas, sem vontade, sem discernimento e sem qualquer poder de imaginação ou criação.
  • Cada vez mais as pessoas estão entrando no espaço “virtual” e se ausentando do mundo “real”, ignorando de todo o mundo espiritual.

Você consegue perceber aqui o império, o domínio da mentira?

No mundo profissional, admite-se a mentira, desde que “dê lucro”, e que “não cause nenhum dano permanente no próximo”. No comércio, a mentira sempre está presentem assim como no meio da política praticada no Brasil e no mundo.

Aliás, é quase impossível não ver a mentira como sendo a condutora das atividades humanas no mundo.

Mall Santa Claus fired after posing for 'inappropriate' gag photosO diabo, diz a Bíblia, engana todo o mundo (AP. 12:9). Não é espantoso como, através da mentira, o mundo todo é levado a comemorar uma festa pagã e idólatra, pensando que estão celebrando o nascimento de JESUS? Fazem festa no dia 25 de dezembro, quando dizem comemorar o “natal” (nascimento de JESUS). Junto com a data, vêm as guirlandas, as árvores enfeitadas, os pinheirinhos dentro de casa, e até a figura “inocente” de um velho barbudo com roupas vermelhas. Me diga: “Qual a relação de todas essas coisas com JESUS?” Nenhuma! JESUS nasceu, de acordo com as Escrituras, em meados de outubro (no nosso calendário). JESUS não usa roupas vermelhas, nem gorro, nem desce pela chaminé das casas. O velho barbudo honrado e representado não é JESUS, é um bispo católico canonizado pelo catolicismo romano, o bispo Nicolau (Santa Claus). Que grande mentira, esse 25 de dezembro; uma mentira que vem sendo perpetuada pela ignorância do mundo em relação à Palavra de DEUS.
E o que dizer da “sexta-feira da paixão”? Outra grande mentira, pois pelas Escrituras é possível ver que JESUS morreu numa quarta-feira, no meio da semana, e não na sexta-feira. Veja só… Dois eventos tão importantes para a humanidade, o nascimento do Salvador, do Verbo Encarnado, e a morte e ressurreição de JESUS… Deturpados pelo pai da mentira, que mudou totalmente os eventos, ofereceu à humanidade e esta abraçou suas mentiras sem qualquer dificuldade. Assim tem sido com tantas outras coisas.

A humanidade é, pois, prisioneira da mentira e jaz em seu império. Mas há uma esperança:

… E conhecereis a Verdade, e a Verdade vos libertará
João 8:32

Busque conhecer o Evangelho do Reino de DEUS! Creia nELE! Se arrependa! Seja batizado (imerso) em Nome de JESUS CRISTO, e seja transportado do reino das trevas e da mentira, para o Reino da Luz (CL. 1:13; RM. 6:3,4)

Publicado em Artigo | Deixe um comentário

O Papel da Igreja em Meio à Pandemia

Como o coronavírus se compara com a gripe? Os números dizem que ...

Desde o surgimento desta pandemia em meio à qual nos encontramos não apenas em nosso país, como também em todo o planeta, as pessoas têm estado extremamente temerosas quanto à uma possível contaminação com o “coronavírus” ou “COVID19”.

Nos países da Europa, onde é maior o índice de pessoas idosas, o número de mortes é alarmante, ainda que pessoas de idades variadas – e não apenas idosos – têm morrido por complicações causadas pelo vírus.

O novo vírus parece capaz de infectar milhões de pessoas. A gripe comum, com seu número reprodutivo de 1,3, causou no ano passado entre 20 e 30 milhões de doentes nos EUA, segundo os Centros de Prevenção e Controle de Doenças (CDC), o que significa 7% da população norte-americana. Na Espanha, contando apenas casos leves que chegam aos prontos-socorros, o sistema de vigilância da gripe estima meio milhão de contágios. Seu crescimento tem potencial para ser rapidíssimo. Se partirmos de 20 doentes de cada doença e assumirmos um ciclo de contágios de sete dias, após 12 semanas haveria 466 infectados pela gripe comum e mais de 30.000 pelo coronavírus CoV-19.

O coronavírus também parece ser mais letal que a gripe. Em Wuhan, cidade chinesa que foi o primeiro epicentro da epidemia, 2% dos doentes detectados morreram, e fora de lá a cifra se aproxima de 0,7%, segundo a OMS. São taxas entre 3 e 20 vezes maiores que a da mortalidade da gripe comum (0,13%) e da gripe H1N1 (0,2%).

O gráfico mostrado representa a taxa de letalidade até agora. O surto de coronavírus está sendo pior que o H1N1 em 2009: naquela ocasião, houve 300 mortos associadas aos 77.000 primeiros casos (0,4%), mas com as mesmas infecções o coronavírus está associado a 2.200 mortes (2,8%). Isso é sete vezes mais. (Fonte: El País, site: https://brasil.elpais.com/ciencia/2020-03-03/como-o-coronavirus-se-compara-com-a-gripe-os-numeros-dizem-que-ele-e-pior.html)

Claro que são dados que não podem – e não devem – ser, de forma alguma, ignorados, ou negligenciados. Trata-se, sem dúvida alguma, de uma pandemia. E como em toda situação de pandemia, cada governo toma as medidas cabíveis para tentar suavizar os danos à saúde da população, procurando, quando possível, buscar um equilíbrio entre o dano causado pela pandemia, e aquele causado pela recessão econômica que sempre vem após uma pandemia de tais proporções, em que se torna necessário medidas extremas, como o isolamento social, e o fechamento de grande parte dos estabelecimentos de comércio, ensino, etc.

Esses dados precisam, claro, ser levados em consideração, entretanto, quero chamar aqui sua atenção para o papel da Igreja em meio à essa ou qualquer outra pandemia, em meio a qualquer situação de catástrofe ou calamidade que venha a cair sobre qualquer localidade onde a Igreja de CRISTO esteja presente.

Primeiramente há que se ter consciência de que o tratamento do SENHOR com a Igreja não segue o mesmo “modus operandi” que com o mundo, porque o SENHOR separou aqueles que são Seus dos demais, e há, para os filhos de DEUS, tremendas PROMESSAS DE DEUS em situações como essa que estamos enfrentando no momento. Ao longo da história da humanidade, vemos DEUS fazendo a diferença entre aqueles que O servem e obedecem, dos demais habitantes do mundo. Vejamos:

Quando o SENHOR estava para tirar o Seu povo (Israel) do Egito (que hoje, simboliza o mundo onde muitos estão escravizados), ordenou aos filhos de Israel que tomassem uma atitude, deu a eles uma ordem: sacrificar um cordeiro sem mancha e marcar com o sangue desse cordeiro, as vergas (umbrais) das portas de suas casas, e o Destruidor ao passar pelo Egito, naquela noite, poupou somente os filhos de Israel que obedeceram o mandamento de DEUS. Somente nas suas casas não ocorreu a morte de nenhum primogênito (ÊX. 12:1-13).

E servireis ao SENHOR, vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de ti as enfermidades.
(Êxodo 23:25)
Será, pois, que, se, ouvindo estes juízos, os guardardes e fizerdes, o SENHOR, teu Deus, te guardará o concerto e a beneficência que jurou a teus pais; e amar-te-á, e abençoar-te-á, e te fará multiplicar, e abençoará o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o teu cereal, e o teu mosto, e o teu azeite, e a criação das tuas vacas, e o rebanho do teu gado miúdo, na terra que jurou a teus pais dar-te. Bendito serás mais do que todos os povos; nem macho nem fêmea entre ti haverá estéril, nem entre os teus animais. E o SENHOR de ti desviará toda enfermidade; sobre ti não porá nenhuma das más doenças dos egípcios, que bem sabes; antes, as porá sobre todos os que te aborrecem.
(Deuteronômio 7:12-15)
Porque ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguro; a sua verdade é escudo e broquel. Não temerás espanto noturno, nem seta que voe de dia, nem peste que ande na escuridão, nem mortandade que assole ao meio-dia. Mil cairão ao teu lado, e dez mil, à tua direita, mas tu não serás atingido. Somente com os teus olhos olharás e verás a recompensa dos ímpios.
(Salmos 91:3-8)

Diante de promessas como essas, como é possível que, como Igreja de CRISTO, temamos o que está acontecendo ao mundo que jaz no maligno (1 João 5:19)?

Depois que JESUS estabeleceu Sua Igreja, algumas práticas fazem parte essencial da vida de todo aquele que é um discípulo (seguidor) de JESUS CRISTO:

  • Estar junto com outros discípulos e reunir-se como Igreja – Atos 2:38-47; 4:32-35; Hebreus 10:25;
  • Proclamar o Evangelho do Reino – Mateus 28:18-20; Marcos 16:15,16…

Em outras palavras, o discípulo de JESUS não pode e não deve, em hipótese alguma, isolar-se dos demais membros do Corpo de CRISTO, mesmo em meio a uma pandemia, ou a despeito de quaisquer ordens governamentais, porque a Palavra de DEUS está acima de qualquer ordenação humana.

Alguns há que não compreendem à luz da totalidade da Palavra de DEUS, o texto de Romanos 13:

Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.
Romanos 13:1-2

O texto de Romanos 13 fala que devemos estar “sujeitos às autoridades superiores” (autoridades humanas), a sujeição, no entanto, não significa que devamos obedecer cegamente às autoridades humanas. A sujeição é total, sem sombra de dúvida, mas a obediência é relativa. Isto é, se a autoridade humana (em qualquer esfera) emitir uma ordem ou lei que seja contrária a uma direção explícita da Palavra de DEUS, o cristão deverá, sem dúvida, desobedecer a essa ordem ou lei, ainda que sujeito às penalidades que tal desobediência trouxer. Temos esse princípio muito claro ao longo da Bíblia. Apenas para citar algumas situações em que a obediência à DEUS causou a desobediência à uma autoridade governamental humana:

Pela fé, Moisés, já nascido, foi escondido três meses por seus pais, porque viram que era um menino formoso; e não temeram o mandamento do rei.
Hebreus 11:23

Também em AT. 5:17-29,  quando proibidos de pregar em Nome de JESUS, os discípulos responderam que “é mais importante obedecer a DEUS do que aos homens”. Os discípulos não obedeceram a ordem recebida de não pregar o Evangelho, porque era uma ordem contrária à ordem dada pelo próprio SENHOR. Ainda assim, submeteram-se à pena (açoites e prisão) por terem desobedecido à ordem dada. Em países também onde governantes são contrários à sã doutrina e à Palavra de DEUS, e proíbem a prática da vida cristã, estipulando as piores penalidades para quem desacatar ou desobedecer sua determinação, normalmente em forma de uma lei, os cristãos sempre obedecerão à Palavra de DEUS e não a lei humana que contradiz a ordem Divina.

Sempre que formos confrontados com uma lei ou determinação governamental e esta for contrária à Palavra de DEUS, nossa atitude deverá ser sempre de obedecer à DEUS, mesmo que isso implique em desobedecer a toda lei e orientação humana, ainda que com isto, sejamos penalizados. Entretanto, se a lei ou determinação humana não contraria qualquer princípio da Palavra de DEUS, então, e só então, deverá ser seguida pelo discípulo de JESUS.

Avaliemos, agora, a questão da pandemia instaurada no mundo…
A ordem mundial é de isolamento social. É que as pessoas fiquem em suas casas, saindo apenas para o que for essencial. É que não visitem, nem recebam visitas, é que não se reúnam.

Ainda que a ideia passada seja de segurança – para a sociedade – para o cristão, para o discípulo de JESUS, a segurança está na obediência à Palavra de DEUS. E a ordem, ao longo do Novo Testamento, para os cristãos, é que “não se separem”, “não deixem de reunir-se como igreja”, “estejam juntos”, “vivem juntos”, etc… Essa ordem, na Palavra, não é apenas para tempos de bonança, de normalidade, mas é também, com toda certeza, para os momentos de crise, de calamidade, de perseguição (quando há)… E vemos que nos países onde o Evangelho de CRISTO é ilegal, os cristãos não deixam de reunir-se, mesmo com risco de perder a própria vida. E muitos até a perdem. Será que o princípio da Palavra de DEUS mudou, por conta de uma pandemia que, como todas as demais coisas, está debaixo do controle de DEUS? Será que aquELE que abriu o Mar Vermelho, que livrou Seu povo das pragas do Egito diminuiu o Seu poder e não pode, hoje, livrar Sua Igreja do coronavírus? Será que aquele que deu mais 15 anos de vida para o rei Ezequias não pode aumentar os anos de vida para Seus filhos? Aquele que curou Naamã da lepra, não pode eliminar, caso ocorra, a infeção do covid19?
Com toda certeza o poder de DEUS não mudou! JESUS CRISTO É o mesmo ontem, hoje, e será eternamente! Mas o fato é que, como está escrito: Quando vier o Filho do Homem, porventura achará fé na Terra? (Lucas 18:8)

O que acontece é que até mesmo os que se dizem cristãos já não acreditam no que DEUS afirma em Sua Palavra!
Se declaram cristãos, se dizem “crentes”, mas “não acreditam em DEUS”, não confiam em Suas promessas! E por isso não experimentam os Seus milagres!
Mas louvado seja o SENHOR, que, quando O obedecemos, quando lançamos mão de Sua Palavra e a colocamos em prática, vemos o resultado na confirmação do SENHOR em cumprimento à Sua Palavra.

Mesmo em meio à pandemia, o SENHOR É O MESMO! E podemos colher frutos da proclamação do Evangelho do Reino, e desfrutar do renovo do Espírito Santo, praticando a Sua Palavra…. A seguir, fotos de alguns momentos em que o SENHOR mostrou-nos, aqui em Foz do Iguaçu, mesmo em meio à pandemia, que Sua Palavra é a Verdade, acima de tudo e contra tudo o que possa, por vezes, intimidar alguns:

Batismo_Paty_TatyBatismo_RafaelBatismo_Rafael_5Batismo_Rosi4Batismo_Rosi2Batismo_Rosi_1 Por fim, a pandemia mostrou-se uma ótima temporada para buscar ovelhas e pescar pessoas!


Publicado em Artigo | Deixe um comentário

Como a Vida Cristã se Manifesta – Parte II


Leitura: Marcos 1:15; 3:13, 14; 9:38-40; 10:12,12; 16:15-20



Como já visto anteriormente, no primeiro artigo desta série, o Evangelho do Reino está relacionado com o arrependimento, JESUS CRISTO, ao pregar o Evangelho, dizia que era necessário “arrepender-se” e “crer”. Em outras palavras, o arrependimento antecede o “acreditar” (1:15), e isso é inerente à vida cristã.



Se JESUS foi ao extremo de morrer “para reunir em um corpo os filhos de DEUS que estavam dispersos (João 11:51, 52), preciso acreditar que, dentre os vários grupos religiosos existentes, o SENHOR está chamando aqueles que têm nascido novamente (1 PE. 1:23) para ouvir a Sua voz e atender ao Seu chamado (JO. 10:27; AP. 18:4).



Cristão algum pode discriminar outro cristão pelo simples fato de não seguir a JESUS da mesma forma ou no mesmo “grupo” que ele (MC. 9:38-40). Outra questão muito importante no contexto da vida cristã diz respeito ao casamento (MC.10:11,12). A despeito da confusão reinante em muitos lares ditos cristãos, e também em muitos grupos religiosos em relação ao casamento, a Palavra de DEUS nos traz ensinos muito claros em relação ao casamento e ao divórcio. Vejamos o que DEUS nos fala a respeito desses dois assuntos…



GN. 2:18-24; PV. 19:14; ML. 2:15,16.
Ao criar o homem, DEUS tinha (e ainda tem) um propósito em Seu coração: “encher toda a Terra com filhos dELE” (GN. 1:28). A missão que o Criador deu a Adão, de governar toda a Terra e extender Seu domínio sobre todo o planeta (GN. 1:27,28), no entanto, não poderia ser levada a êxito, se ele estivesse sozinho, então DEUS lhe formou uma “ajudadora”. DEUS preparou para Adão uma esposa, alguém para estar debaixo da mesma missão (real significado da palavra submissão), e foi assim que surgiu Eva (GN. 2:22,23).
Aqui aconteceu o primeiro casamento, quando DEUS une o primeiro homem à primeira mulher. Por isso, após o casamento, realizado na Presença de DEUS, homem e mulher se tornam “uma só carne” razão pela qual DEUS odeia o divórcio (GN. 2:22-24; ML. 2:15,16).



Portanto, o casamento e a família que dele resulta, é uma instituição Divina, e como tal, sua missão e propósito são igualmente Divinos.
É necessário entender, portanto, que de acordo com a Palavra de DEUS, o casamento é indissolúvel (MC. 10:9); e mais que isso, é preciso compreender que só é reconhecido por DEUS o casamento entre um homem e uma mulher, isto é, por pessoas de sexos opostos, pois desde o princípio da natureza humana só há macho e fêmea e tudo o que ultrapassa isso, é uma perversão daquilo que DEUS estabeleceu.
A luz da Palavra de DEUS, a união hoje chamada “homoafetiva” é algo repulsivo, abominável, nojento aos olhos de DEUS (LV. 18:22; 20:13; RM. 1:27; 1 CO. 6:9,10; 1 TM. 1:9,10…).



Também em relação aqueles  que são casados (homem e mulher), a Palavra de DEUS nos ensina que:



  • DEUS odeia o divórcio – ML. 2:16;
  • Todo aquele que deixa o seu cônjuge e casa com outra pessoa, está em adultério – MC. 10:11, 12;
  • Num casamento, esposa e marido estão ligados pela Lei de DEUS até que um deles morraRM. 7:1-3;
  • O cônjuge não deve deixar seu esposo/esposa. Caso aconteça uma separação, deve reconciliar-se com o outro, ou permanecer sozinho – 1 CO. 7:1-17;



Não há, em lugar algum da Bíblia, qualquer fundamento para a prática do que hoje é chamado de “recasamento”, pelo contrário, a Bíblia ensina justamente o oposto. Caso um dos cônjuges cometa algo que fira ou ofenda o outro, o mandamento de JESUS é que haja o perdão, e não a separação. Até mesmo porquê, como o cristão poderia exercer o ministério da reconciliação (2 CO.5:18,19), se não for capaz de reconciliar-se com seu cônjuge?
Acredito que há aqui uma revelação que merece nossa atenção…
Se o casamento representa a união entre CRISTO e Sua Igreja (EF. 5:22-32), como aceitar com algo que contrarie tal revelação?
Se no casamento o homem representa CRISTO, e a mulher representa a Sua Igreja (2 CO. 11:2), aceitar o divórcio é dizer que tanto a Igreja pode escolher outro esposo, se não estiver satisfeita com CRISTO, como também o SENHOR pode escolher “outra esposa” além da Sua Igreja…
Achar o divórcio e o recasamento algo normal e válido, é torcer o propósito do casamento, é tratar o casamento como uma instituição meramente humana, voltada para interesses humanos, desprezando o propósito Divino do casamento, como revelado ao longo das Escrituras.
Ao longo da Bíblia vemos que o desejo de DEUS no casamento é o estabelecimento de Seu governo sobre a Terra; e nesse propósito, todos na família têm seu lugar e função (SL.127:1-3; EF. 6:1-2; DT. 6:6-9 e referências).
Tanto o propósito de DEUS quanto a vida cristã começam na família.
Ao começar uma família, CRISTO deve ser colocado como o SENHOR da família, exercendo cada qual sua função em submissão a ELE.
Isso significa que ao se buscar um cônjuge, isso é feito através de um relacionamento com DEUS, pois dELE vem o cônjuge ideal (PV. 18:22; 19:14).
Não é “namorando” e “experimentando” que se encontra o esposo ou esposa ideal, mas é buscando em DEUS, orando e deixando ELE trazer aquela pessoa que será o marido ou esposa ideal.
Para que tenhamos um lar, uma família de acordo com a perfeita vontade de DEUS, é preciso deixar CRISTO governar nossas vidas, e nossa família.
Quantos estão dispostos?


Publicado em Artigo | Deixe um comentário